Destaques

O show de TARJA TURUNEN dispensa qualquer tipo de cerimônia ou de comentário prévio. Com uma carreira construída de maneira extremamente sólida ao lado do NIGHTWISH, a vocalista iniciou em 2007 uma trajetória solo que conquista a cada ano um número ainda maior de fervorosos adeptos. O seu mais recente álbum, intitulado “What Lies Beneath” (2010), é a prova maior de que a cantora permanece com a coroa de maior diva do metal mundial. Portanto, o que era o esperado para a noite da última quarta-feira realmente se concretizou. Os fãs que compareceram ao Opinião presenciaram mais um show inesquecível da finlandesa por aqui.

O fanatismo extremo pela cantora não é surpresa para ninguém. A fila que foi formada em frente ao local ainda pela manhã impressionou apenas quem desconhece o passado de muito sucesso da ex-NIGHTWISH. O show de abertura iniciou pontualmente às 21h para um público que ocupava boa parte da pista e dos setores adjacentes do Opinião. O espetáculo dos gaúchos da NOCTIS NOTUS animou os presentes com um metal sinfônico muito similar ao que a banda do tecladista Tuomas Holopainen executava nos discos “Wishmaster” (2000) e “Century Child” (2002). O destaque ficou por conta da vocalista Juliana Novo e para o cover “Phantom of the Opera”. O show foi excelente e agradou a plateia na medida certa. A sonoridade da banda – que alia aos elementos orquestrais um pouco de thrash metal – mostrou que tem capacidade para arriscar voos mais altos daqui para frente.
O intervalo entre as duas performances foi o momento adequado para que os mais insistentes pudessem conseguir o ‘free pass’ para conhecer TARJA TURUNEN no camarim. Os poucos fãs que foram presenteados com esse direito estampavam no rosto – e também no modo como ainda tremiam – a felicidade por ter um autógrafo e uma foto ao lado da diva do metal. A cantora subiu ao palco precisamente às 22h10 abaixo de uma chuva de gritos histéricos de um público jovem e extremamente ansioso para o grande espetáculo da noite. A longa intro serviu como pano de fundo perfeito que para TARJA TURUNEN e a sua banda, que conta com Alex Scholpp (guitarra), Kevin Chown (baixo), Christian Kretschmar (teclado), Max Lilja (cello e ex-APOCALYPTICA) e com o sensacional Mike Terrana (bateria) entrassem em cena com um ambiente extremamente favorável. A abertura ficou por conta da ótima “Anterrom of Death”, que evidenciou todo o peso da carreira solo da cantora e o som excepcional que saía dos PA’s da casa. O público pulou muito e cantou toda a letra.

Imagem
Imagem
O som impecável do Opinião mostrava toda a virtude técnica da banda e da sua principal estrela. O baterista Mike Terrana é um exímio instrumentista e pouco precisa provar ao vivo todo o status que contorna o seu nome. No entanto, o restante do grupo surpreendeu quem pouco acompanha o cenário periférico e as bandas (ou ex-bandas) de Alex Scholpp e de Kevin Chown. O calor do público era tanto que a cantora agradeceu o carinho em um legível português antes de “My Little Phoenix” – um dos momentos mais intensos do espetáculo. O resultado foi excepcional e deixou muita gente de queixo caído por conta de uma performance simplesmente espetacular de TARJA TURUNEN. O repertório ainda tinha na manga as pesadas “Dark Star” e “Falling Awake” – que destacaram o apoio incondicional da plateia. Os gaúchos cantaram junto com a finlandesa e ainda conseguiram extrair um novo sorriso da vocalista a cada bichinho que pelúcia que era arremessado ao palco.
A simpatia de TARJA TURUNEN é um fato que precisa ser mencionado. Embora o carinho do público seja um pouco difícil de ser dimensionado, a vocalista parece retribuir cada um dos gestos mais afetivos da plateia. A consequência disso é um show envolvente e que agrada a plateia – sobretudo o mais jovem – de maneira realmente ímpar. Na sequência, a balada “I Walk Alone” foi dedicada ao público, que mais uma vez cantou com a ex-NIGHTWISH. A música retirada do debut “My Winter Storm” (2007) mostrou toda a sua eficiência para permanecer ainda no set-list da cantora. Em seguida, a banda deixou o palco para que Mike Terrana executasse um brilhante solo de bateria. O cara é realmente incrível e impressionou todos com muito malabarismo e intensidade. No retorno do conjunto, a pesada “Little Lies” comprovou definitivamente que o direcionamento da carreira solo de TARJA TURUNEN nada pode ser comparado com o atual momento da sua ex-banda. O seu metal é muito mais pesado e interessante.
Imagem
Imagem
Imagem
A continuidade do espetáculo proporcionou uma quebra proposital ao clima denso e agressivo criado por “Little Lies”. A atmosférica “Underneath” antecedeu o primeiro – e curiosamente – penúltimo momento que revisitou o passado da cantora com o NIGHTWISH. Não há dúvidas de que a faixa “Bless the Child” animou o público. Porém, nada diferente do que havia acontecido antes com as músicas próprias da vocalista. A verdade é que as faixas da sua ex-banda ainda possuem uma áurea especial, mas fica muitíssimo claro que a carreira solo da cantora atingiu o mesmo nível de grandeza. A teoria foi comprovada com pequeno set acústico montado no meio do show. As músicas “Sing for Me” e “I Feel Immortal” contaram mais uma vez com as vozes de apoio da plateia que permanecia ensandecida com a proximidade de TARJA TURUNEN aos seus olhos.
Na sequência do espetáculo, o set-list deu novamente foco ao metal na sua mais pura essência. Porém, a música “Never Enough” não segue a mesma linha das faixas mais pesadas de “My Winter Storm” (2007) e tampouco de “What Lies Beneath” (2010). A música – que pode ser considerada nova – mostra uma proximidade com aquilo que o NIGHTWISH fez de mais comercial em ”Nemo”. Entretanto, a novidade mostrou potência e qualidade para figurar com destaque em um próximo disco da cantora – que já foi inclusive anunciado para em breve no seu site oficial. O público cantou novamente junto durante a pesada “In for a Kill” – música que encerrou a primeira parte do show. Na volta para o bis, mais um momento para relembrar os anos dourados de TARJA TURUNEN ao lado do NIGHTWISH: “Over the Hills and Far Away” contou com uma resposta à altura do clássico de GARY MOORE e praticamente extenuou o público. O encerramento do espetáculo foi com “Die Alive” e a imprescindível (e excelente) “Until My Last Breath”.
Imagem
Imagem
Imagem
O show durou pouco mais de 1h30. Entretanto, o tempo foi mais do que suficiente para levar o público gaúcho ao delírio e uma pequena parcela mais fanática às lágrimas. Com a promessa de retornar à cidade, TARJA TURUNEN se despediu com a certeza de que a turnê de “What Lies Beneath” (2010) será encerrada em altíssimo nível com outros três shows aqui Brasil. O espetáculo em Porto Alegre – que no mínimo deve ser apontado como excelente – deixou definitivamente claro que a ex-NIGHTWISH não depende do seu antigo grupo – e tampouco de Tuomas Holopainen – para fazer sucesso. No ano em que vai completar trinta e cinco anos de idade, TARJA TURUNEN evidenciou também que está em perfeita forma. Os que não compareceram ao Opinião certamente perderam um show incrível e que dificilmente vai possuir um concorrente à altura em 2012. A expectativa agora é para que o retorno da diva do metal realmente se concretize em um futuro não muito distante.
Set-list:
01. Anteroom of Death
02. My Little Phoenix
03. Dark Star
04. Falling Awake
05. I Walk Alone
06. Drum Solo
07. Little Lies
08. Underneath
09. Bless the Child (Nightwish)
10. Rivers of Lust/Minor Heaven/Sing for Me/I Feel Immortal
11. Never Enough
12. In for a Kill
13. Over the Hills and Far Away (Gary Moore)
14. Die Alive
15. Until My Last Breath
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem


Fonte

- Copyright © Deusas do Rock -